Ajuda para continuar no caminho do Reiki

Depois de fazer o nível I de Reiki muitos alunos continuam empenhados e praticam com frequência, mas outros sentem-se desmotivados e por vezes desistem sem sequer terminarem os 21 dias de autotratamento necessários. Neste artigo partilho algumas sugestões para que o Reiki não seja colocado de parte.

Há muitas razões que podem levar alguém a decidir fazer o curso de Reiki. Desde a necessidade de encontrar serenidade na vida, alívio para questões de saúde ou até como parte do caminho espiritual, várias são as motivações. No Reiki é possível, de facto, encontrar resposta a esta procura, na medida em que se trata de uma terapia que promove o equilíbrio e o relaxamento, estimula a adoção de pensamentos positivos, permitindo a tomada de consciência (e transformação) de padrões negativos, e ainda pode ser uma prática para quem pretende evoluir espiritualmente.

Mas a verdade é que apesar de o Reiki ser tudo isto – e isto corresponder ao que a maior parte das pessoas procura nesta terapia complementar – são muitos os que desistem da prática por razões distintas. E mesmo sabendo que cada um tem o seu ritmo, o seu tempo e precisa de caminhar da forma que mais se adequa a si, quando sei que alguém desistiu da prática ou está prestes a fazê-lo, não resisto a aconselhar que persista no Reiki, que não o deixe ir embora. Se ele chegou, alguma razão o trouxe.

Mesmo que agora não estejam a conseguir praticar com a regularidade desejada ou se não estão a compreender de que forma o Reiki vos pode ajudar, não desistam. Sejam resilientes e insistam. Um dia acabarão por perceber a razão de o Reiki estar convosco. Basta que ponham em prática o segundo princípio do Reiki: Só por hoje, confio.

 

Razões para desistir e soluções para contrariar
De seguida apresento algumas das razões que estão na base da maior parte das desistências da prática. Há outras, claro, mas estas são as mais comuns. E ficam também algumas dicas para contrariar a tendência:

“Esperava que o Reiki me ajudasse mais rapidamente.” – Muitas pessoas chegam ao Reiki à espera que a situação que ali os levou mude instantaneamente a partir do momento em que fazem o curso de Reiki. Como as coisas não acontecem assim, desiludem-se e afastam-se. Com efeito, esta é uma terapia muito simples mas que exige trabalho interior, autotratamento e introspeção. Costumo dizer que o Reiki não pode ser visto como uma “iluminação de tipo fast food”. Se é verdade que se trata de uma ferramenta de autoajuda muito poderosa, também é verdade que precisa da intervenção ativa do praticante. Ficar à espera que o Reiki atue sozinho mas mantendo os mesmos pensamentos, fazendo todos os dias as mesmas ações e não refletir nos Cinco Princípios do Reiki, poderá levar a deceções, porque a prática exige tomada de consciência e dedicação. Claro que há situações que se resolvem mais rapidamente e quase sem intervenção do praticante, mas essas são exceções e nós devemos estar preparados para trabalhar interiormente quando damos o passo de aprender Reiki.
Solução – Compreender e aceitar que o Reiki não é uma “pílula milagrosa” e que implica alguma dedicação. Se não se conseguir praticar diariamente, procure estipular-se uma rotina semanal que seja fácil de seguir.

 

“Os dias chegam ao fim sem que eu consiga arranjar tempo para praticar.” – Outra das razões para o abandono do Reiki é a dificuldade em gerir a agenda diária sempre tão sobrecarregada, já que a prática de Reiki é uma atividade extra que se acrescenta ao dia.
Solução – Reservar sempre o mesmo período do dia para a prática e não ceder a alterar essa “marcação” com facilidade. Depois de fazer os 21 dias de autotratamento, não há obrigatoriedade de fazer diariamente. Mas mesmo que passe a fazer Reiki três vezes por semana (ou menos, caso sinta dificuldade na gestão da agenda, é melhor continuar a marcar o autotratamento para não se esquecer e não dar prioridade a outras tarefas.

 

“Uma hora é muito tempo.” – Há quem tenha dificuldade em dedicar uma hora inteira à prática do Reiki e por isso acabam por simplesmente deixar de praticar.
Solução – Se reservar uma hora por dia para a prática se torna complicado, então procure dedicar apenas meia hora. É bem melhor que não fazer nada! Poderá depois aumentar o tempo (se sentir necessidade) à medida que percebe que consegue gerir todos os outros afazeres sem problemas.

 

“Mal consigo organizar-me para tudo o que tenho de fazer durante o dia, quanto mais para fazer Reiki” – Esta situação comum na vida de tanta gente – incapacidade de foco face a múltiplas solicitações – é o que retira paz e serenidade e é precisamente por isso que se buscam soluções como o Reiki.
Solução – Ao contrário do que se possa imaginar, integrar o Reiki na rotina diária acaba por ajudar a lidar melhor com tudo o resto. Ao contribuir para o equilíbrio e serenidade, ajuda a relativizar, a tratar os assuntos com calma e a confiar que tudo será resolvido e feito a tempo e horas. Dez minutos por dia de Reiki, logo ao acordar, pode mudar radicalmente a forma como o dia corre. Experimente!

 

“Lá em casa não tenho espaço para fazer Reiki.”- Para algumas pessoas o maior problema é a falta de um espaço adequado à prática e isso leva a que deixem de lado o autotratamento. Solução – O Reiki é simples pelo que a sua prática não exige requisitos complicados. Podemos fazer Reiki na cama, à noite ou de manhã, por exemplo. Mas o mais adequado será fazer sentado, porque deitado corre-se o risco de adormecer rapidamente.

 

“Há sempre muito barulho em minha casa, não consigo concentrar-me.” – Este pode ser um verdadeiro desafio para muitas pessoas, mas também aqui é possível contornar a situação:
Sugestão: Usar uns auscultadores tipo headphones com uma música que ajude a relaxar pode ajudar, pois este tipo de aparelho consegue eliminar grande parte do ruído circundante. Outra solução passa por explicar a todas as pessoas da casa as razões por que se necessita de silêncio durante algum tempo (normalmente, toda a gente compreende e acata) podendo até colocar-se um letreiro na porta da divisão no momento em que se está a fazer Reiki, como forma de recordar o pedido de colaboração.

 

“Comecei a perceber algumas questões da minha vida que começaram a perturbar-me e decidi parar.” – Algumas pessoas decidem suspender a prática de Reiki, porque começam a compreender algumas questões que precisam de enfrentar ou resolver na sua vida e, por algum motivo, não querem continuar a ser alertadas para isso, optando por permanecer na sua zona de conforto.
Solução –É conveniente que estas pessoas analisem a razão por que não querem continuar a ser confrontadas com os temas que o Reiki desvendou. Será porque ainda não se sentem com forças para resolver a questão ou será porque não querem mesmo tocar nesse assunto? Qualquer que seja a resposta, é importante que saibam que nenhuma é incompatível com continuar a fazer autotratamento, já que o Reiki vai contribuir para o equilíbrio em geral, ajudando no relaxamento de cada um.

 

Ter o Reiki presente todos os dias
É muito fácil e rápido mantermo-nos ligados ao Reik todos os dias, mesmo quando não há tempo. Aqui ficam cinco dicas:
1 – Recitar os Cinco Princípios do Reiki ao acordar e antes de deitar com as mãos em posição gassho;
2 – A qualquer momento do dia ou da noite, respirar fundo e sentir a energia a percorrer-nos desde o topo da cabeça até aos pés, imaginando que todos os bloqueios e tensões desaparecem à medida que a energia passa por eles e os desfaz;
3 – Podemos visualizar-nos envoltos num casulo de luz branca e brilhante – Reiki – que nos protege da energia de pessoas e situações menos positivas ao longo do dia;
4 – Perante um qualquer momento de tensão no trabalho, por exemplo, repetir internamente: “Só por hoje, sou calmo.”O resultado é quase imediato e magnífico, pois a energia muda mesmo para melhor.
5 – Em cinco minutos apenas podemos passar as mãos por todos os nossos centros energéticos se o fizermos dois a dois. Só isso será bom para tomarmos consciência da nossa energia. Depois, em dois ou três minutos extra, fazemos Reiki nos pontos que sentimos como mais necessitados.

 

Artigo escrito para a edição especial “Reiki & Yoga Prático” n.º 3 – Julho de 2017

Sobre o autor:

Terapeuta e mestre de Reiki, concilia com a atividade de jornalista e produtora de conteúdos. Elemento dos Órgãos Sociais da Associação Portuguesa de Reiki nos biénios 2012-2014 e 2014-2016

Andreia Vieira – que escreveu artigos no BeYou Reiki.

Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *