O Reiki sente-se no coração

DSC_0904Depois da iniciação em Reiki, é comum os alunos ficarem curiosos em relação às sensações nas mãos. Mas alguns ficam muito desapontados quando “não sentem nada”. O melhor mesmo é não valorizar muito esta questão nos primeiros tempos de prática, porque antes de se sentir nas mãos, o Reiki sente-se no coração.

É normal que, após a iniciação em Reiki, os alunos não sintam logo a energia fluir pelas palmas das suas mãos. Isto porque o Reiki vai adaptar-se a cada novo praticante, o qual tem ainda em si registado todo um sistema, anterior ao contacto com o Reiki, de como sentir e o que sentir. A verdade é que só agora se tornaram canal de Reiki. Pelo que só após a sintonização, e com os 21 dias de auto tratamento seguintes, irão relacionar-se progressivamente com esta energia, adaptando-se a ela, percebendo-a e conhecendo-a. E também promovendo a limpeza e desobstrução dos canais energéticos por onde o Reiki flui, eliminando eventuais bloqueios. Considera-se que se existirem muitos bloqueios no corpo energético poderá demorar mais tempo até se conseguir um fluxo pleno de Reiki.

Entre as sensações descritas como correspondentes ao fluir do Reiki contam-se o calor, a aragem, o formigueiro, as picadas, as cócegas ou as vibrações. Todavia, algumas pessoas não sentem absolutamente nada, o que as deixa desiludidas. Algumas começam mesmo a duvidar da sua capacidade para serem canais de Reiki, o que só acaba por ser contraprodutivo em todo o processo. No limite, pode até tornar-se uma obsessão para o praticante, impedindo-o de avançar e de, finalmente, ter as referidas sensações.

 

Sentir no coração

Acredito que antes de se sentir nas mãos, o Reiki sente-se no coração. Porque de nada serve esperar teimosamente uma sensação nas palmas das mãos se não houver uma ligação ao nível do chacra cardíaco. O Reiki é amor incondicional, logo, temos de acreditar nele de coração, com o coração. E não com as mãos ou com o cérebro.

Depois, com a prática, aparecerão as sensações. Tal acontece gradualmente, ao longo das semanas e meses após a iniciação, à medida que se for trabalhando com o Reiki e sentindo-o a “funcionar” na nossa vida das mais diversas formas.

 

O que fazer quando não se sente?

- Encarar o assunto de forma descontraída;

- Partir para um tratamento de Reiki sem quaisquer expectativas ou ideias feitas em relação às sensações (esqueça simplesmente o assunto);

- Praticar, praticar, praticar Reiki. Quanto mais praticar, mais estará a contribuir para eliminar eventuais bloqueios que possam estar a impedir o fluxo pleno de Reiki;

- Fazer Reiki a plantas ou animais pode ser uma ajuda para percebermos como sentimos de facto, mesmo quando pensamos que não estamos a sentir;

- Exercícios para estimular os chacras das palmas das mãos também são vantajosos nesta situação: com o polegar pressionar várias vezes na palma da mão oposta e vice-versa; com as pontas dos dedos de uma mão aplique batidas ritmadas na palma da outra mão e vice-versa. Pode fazer estes exercícios várias vezes por dia e durante dias seguidos. Verá como a sensibilidade muda.

 

Todos somos “bons”

Finalmente, não pense que há pessoas melhores que outras para a prática do Reiki. A partir do momento em que se é iniciado no Reiki por um mestre, passa-se a ser canal desta energia vital. E ninguém é melhor ou pior. O que realmente conta é o trabalho que cada um empreende com o Reiki, a começar por si próprio. Tudo depende do processo e do ritmo de cada um. Mas se desistir (por falta de sensações nas mãos) então aí é que dificilmente passará a sentir.

Boa prática! :)

Sobre o autor:

Vogal da Direção da Associação Portuguesa de Reiki. Jornalista e produtora de conteúdos, concilia com a atividade de terapeuta e mestre de Reiki.

Andreia Vieira – que escreveu artigos no BeYou Reiki.

Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>